Tereza Cruvinel - votos minguando fogo contra Dilma

O impeachment perdeu força no Senado a olhos vistos e a resposta foi imediata: fogo contra Dilma.  Como a acusação baseada em pedaladas fiscais e decretos orçamentários sem autorização legislativa foi questionada mundo afora e vem abalando a disposição de voto de senadores decepcionados com os rumos do governo Temer, a  nova ofensiva trata de vincular  Dilma à Operação Lava Jato.  As investigações são estranhas ao processo de impeachment mas como o "conjunto da obra" é sempre usado para justificar votos,  a semana terminou com uma maré de denúncias tentando jogar Dilma no petrolão para acelerar e facilitar o ato final. Algumas delas.  

 A revista IstoÉ circula neste final de semana com a notícia de que, segundo delação de Marcelo Odebrecht, Dilma teria conversado com ele pessoalmente sobre o pagamento de uma "propina" eleitoral  no valor de R$ 12 milhões em 2014. Metade seria para o pagamento do publicitário João Santana, que trabalhou para sua campanha,  e metade para o caixa eleitoral do PMDB. "É para pagar", teria dito Dilma. Até onde se sabe, a delação da Odebrecht ainda está na fase preliminar entre os advogados da empresa e a força tarefa da Lava Jato, que exige a participação de seu pai, Emílio Odebrecht.

Vazamentos da delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás bancado pelo PMDB, relacionados com Dilma,  foram fartamente destacados pela mídia. Ele afirma que ela teria tido pleno conhecimento dos riscos embutidos na compra da refinaria de Pasadena, inclusive das cláusulas do contrato que disse desconhecer.  Em segundo plano ficaram  informações muito mais graves de Cerveró.  Entre elas a de que a construção de uma termelétrica no Rio foi contratada a uma empresa ligada ao filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.O  colunista de O Globo Merval Pereira saiu-se com algo mais insólito: o suposto pagamento de despesas pessoais, como a do cabeleireiro pessoal de Dilma, com recursos derivados do esquema do petrolão. Dilma vai processá-lo, bem como ao jornal.

 Faltam provas e evidências de tudo isso, e a delação de Marcelo Odebrecht, como dito acima, ainda nem tomou a forma de depoimentos a termo. Não importa. A urgência agora é de evitar a virada de votos no Senado, que pode impedir o bloco golpista de obter os 54 votos para condenar Dilma, cassar seus direitos políticos por oito anos e efetivar Temer na Presidência. E a jato, antecipando o calendário do impeachment para que a votação ocorra sobre o impacto deste novo bombardeio.

 Mas como nem tudo neste golpe pode ser controlado, a semana terminou também com as revelações de Sergio Machado, de que pagou R$ 70 milhões em propinas a Renan, Jucá e Sarney, bem como outros valores a outros líderes do PMDB.

A implosão do partido de Temer, que deve ser também alvejado pela delação dos Odebrecht, quando de fato acontecer, alargará o buraco da crise política. Sem falar nos aspectos econômicos, como a contradição brutal entre o discurso de austeridade de Meirelles, os expensivos aumentos concedidos a funcionários públicos para evitar greves e conter o desgaste de Temer e a aprovação da desvinculação das receitas obrigatórias, a DRU, que levará a um encolhimento dos gastos com educação e saúde em 30%. 

Nesta marcha batida,  como dizem os baianos, em torno do buraco tudo será beirada. Elas podem até engolir Dilma e seu mandato mas engolirão também os pilares podres do sistema partidário e o próprio governo interino. O fogo vai subir muito nos próximos dias.

"Há dois movimentos caminhando juntos neste momento, em velocidades diferentes: a delação dos dirigentes da Odebrecht e o esforço do bloco de Temer para acelerar o ato final do impeachment da presidente Dilma, de modo que ele ocorra antes das revelações da empreiteira. Se elas tiverem a força e o alcance esperados, revelando todos os participantes do esquema "ilegal e ilegítimo de financiamento do sistema partidário-eleitoral do país", como anunciou a própria empresa em março, as condições para a condenação de Dilma podem ser definitivamente comprometidas", escreve a colunista do 247 Tereza Cruvinel; a jornalista lembra que "elas já se deterioraram muito por conta das bizarrices do próprio governo interino, ameaçando a consecução dos 54 votos necessários"

"Começa nesta quinta uma contagem regressiva crucial para o futuro do governo interino. Se mantida a previsão de votação final do impeachment pelo plenário do Senado no dia 2 de agosto, nestes 60 dias Temer terá que convencer o Brasil de que o país estará melhor com ele, que Dilma deve ser condenada, perdendo o mandato e os direitos políticos por oito anos, sendo ele efetivado para nos governar até 2018", afirma a colunista do 247 Tereza Cruvinel; ainda assim, ela pontua que o retorno de Dilma, embora prove que ela não cometeu crime de responsabilidade, não lhe dará as condições de governabilidade; "É nesta hora que terá de haver um acordo. Não um acordão secreto entre caciques, como o do impeachment, descrito por Jucá, para barrar a Lava Jato. Um acordo nacional, transparente, republicano, no qual todas as forças políticas aceitem zerar a disputa e chamar o povo a decidir nas urnas", defende

"Tem gravação com Temer? Esta pergunta assusta uns e excita outros. Tenha ou não tenha, o gravador ameaça a votação de agosto no Senado, para condenar Dilma e efetivar Temer como presidente", diz a colunista Tereza Cruvinel; ela também questiona o silêncio dos institutos de pesquisas sobre a aprovação popular – ou não – ao governo provisório; "Afinal, quando é mesmo que os institutos de pesquisa vão aferir a aprovação ao governo? Está demorando um pouco. Alô, Ibope e Datafolha, precisando de pesquisadores?", questiona

S0M3NT3 Cl1C3R S3 0 4NÚNC10 T3 1NT3R3SS4R S0M3NT3 Cl1C3R S3 0 4NÚNC10 T3 1NT3R3SS4R

***