Cunha é cinza, agora o fogo será em Lula

POR FERNANDO BRITO 

A anunciada coletiva da – o nome já diz tudo – força tarefa da Lava Jato para anunciar, ou prometer anunciar, uma denúncia criminal contra Lula era o passo óbvio do processo de luta política que se desenvolve sob a capa judicial.

Lula, ao que tudo indica, será denunciado por não ter recebido um apartamento no Guarujá, agora que o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, foi devidamente enquadrado e avisado que, sem Lula e os petistas, não haverá "colher de chá" em sua delação ou nem mesmo acordo de delação.

O roteiro é tão simplória que seria recusado até numa minissérie: o empresário não fala o que os promotores querem ouvir, seu depoimento vaza, a delação (que vale não ir para a cadeia por anos a fio) é suspensa e, agora, candidamente, o delator vai dizer o que se quer dele ouvir.

Os promotores, docemente constrangidos, dizem ao juiz que não poderia haver novo depoimento mas, em benefício do direito de defesa – como todos sabem, prezadíssimo em Curitiba – concordam que o faça.

É preciso "preparar a cama" para seu troféu: a prisão de Lula.

E para lançar o país numa situação de conflagração que não se tem ideia de onde vai parar.