Cunha vai explodir o covil?

É grande, nesta manhã, a torcida do establishment e das consultorias do mercado para que o agora cassado Eduardo Cunha não exploda o quarteirão e não perturbe a aprovação das reformas. Mas o futuro a Cunha pertence.  Ninguém sabe bem o que vai acontecer. Brasília amanheceu num misto de alívio e apreensão, dependendo do endereço.

O anúncio de Cunha, nos primeiros minutos da madrugada, de que contará toda a história do impeachment num livro que começa a escrever agora assustou alguns, mas foi interpretado como uma última ameaça, tentativa final de obter alguma ajuda. Se tivesse intenção de chutar o pau da barraca de imediato, analisam alguns, teria acenado com a delação premiada.

O livro, que demora algum tempo para ser escrito e pode tomar qualquer rumo  – até o de não ser escrito -, é uma forma de ameaçar os companheiros sem se jogar já irreversivelmente nos braços dos investigadores da Lava Jato nas desgastantes negociações de uma delação. E não o impede, mais adiante, de partir para ela.

O que quer Eduardo Cunha a essa altura? Não quer ser mandado logo para Cuririba de Sérgio Moro. Esse caminho parece inevitável com a perda do foro privilegiado decorrente da cassação, mas do ponto de vista jurídico não é inexorável. Há casos em que, por conexão com outros réus de foro privilegiado, o acusado continuou a ser julgado no STF – José Dirceu no Mensalão, por exemplo.

Os advogados de Cunha trabalham ainda com a possibilidade de pelo menos uma das ações ir para no TRF2, que abrange o Rio, por conta da ex-deputado Solange Amaral, também citada, que hoje é prefeita.

Todas essas possibilidades de escapar de Curitiba são remotas, mas enquanto não esgotá-las Cunha não vai explodir o quarteirão. Mais remotas ainda são as chances de Michel Temer ajudá-lo em conversas com figuras importantes do Judiciário. Mas, nas esperanças de Cunha, há sempre algum interlocutor ou amigo comum que possa fazer isso a pedido do presidente.

Com ou sem ajuda, porém, quem conhece o STF – onde a posse da ministra Carmen Lúcia se transformou ontem num ato contra a corrupção – aposta que as tentativas de Cunha vão morrer na praia e que ele acabará, sim, nas mãos de Moro. Quem sabe até vendo o sol nascer quadrado.

A questão agora, portanto, parece ser apenas de tempo. A rapidez de Cunha para explodir o quarteirão – e com ele muita gente do PMDB de Michel Temer – vai depender da velocidade com que o STF o despachar para Moro.

Por Helena Chagas, em Os divergentes