Deuses de toga, grampos e um cidadão brasileiro

- Alô, aqui é do Céu, em que posso lhe ajudar?

- Eu gostaria de falar com o Todo Poderoso.

- Quem deseja falar com ele?

- Um cidadão brasileiro.

- Desculpa, mas ele só atende de tucano graúdo pra cima, tipo os irmãos Marinho.

- Tudo bem. E postaria falar com um dos semi-deus de toga?

- Qual deles?

- Qualquer, todos são semi-deuses mesmo.

- Aguarde um instante. Vou ver se tem algum aqui por perto que queira lhe atender.

Depois de uma hora escutando aquela musiquinha chata, escuto:

- Pois não o que deseja?

- Tou falando com quem?

- Com um dos semi-deuses togado aqui de Brasília, que você quer?

- É porque encontrei um grampo aqui em casa, gostaria de saber se é autorizado por algum dos senhores.

- Sei não.

- E agora o que eu faço, posso desgrampear ou não?

- Vou perguntar ao Deus Moro, daqui a pouco respondo.

Mais uma hora de musiquinha e ele pergunta:

- Você é investigado pela Lava jato?

- Que eu saiba, não.

- Ah, pois então melhor deixar como tá. Se você desgrampear e tiver sido autorizado pelo Todo Poderoso, ele te bota em cana imediatamente.

- É mesmo?

- É sim.

- Senhor poderia me fazer um favor?

- Diga logo, não temos tempo a perder com cidadão comum.

- Tá certo. Pois é o seguinte:

Eu vou desgrampear minha residência. E se o grampo tiver sido autorizado por algum semi-deus ou mesmo pelo Deus Moro, eu só digo isso Vão grampear a puta que os pariu fidumaségua!