***

Relatório do Deutsche Bank sobre a indústria brasileira

Conclusão: O Michê é um Robin Hood às avessas
De todos os desastres econômicos, políticos e sociais que o presidente Michel Temer conseguiu propiciar em menos de um ano ocupando a cadeira presidencial, o mais revoltante diz respeito à sua crueldade em relação à população mais pobre desse país.
Mais do que uma completa indiferença à camada social mais necessitada, Temer não só os abandona à própria sorte como os castiga violentamente numa contrapartida ao escandaloso financiamento dos arquitetos do golpe que agora se vê obrigado a sustentar.
Não que a incompetência e a irresponsabilidade econômica patrocinadas pela tríade Temer-Meireles-Goldfajn não tenham atingido a todos na farsante promessa de recuperação da confiança e dos investimentos internacionais.
O recém divulgado relatório do Deutsche Bank que colocou a indústria brasileira na última posição global não nos deixa dúvida sobre isso.
A questão é que para os amigos, os seja, o 1% mais abastado, o “Estado mínimo” se transforma numa verdadeira mãe cujos cofres sempre estão fartos e à disposição. A disparidade no tratamento dado aos “seus” e aos “outros” é simplesmente gritante. Senão, vejamos:
Ao passo em que o aumento dado ao salário mínimo em 2017 ficou abaixo da inflação pela primeira vez desde 2003, o aumento dado ao judiciário – partícipe inconteste na derrubada da democracia – foi de até 41,47% ao custo de R$ 140 bilhões ao contribuinte.
Ao mesmo tempo em que saúde e educação tiveram seus investimentos congelados por duas décadas, o “Estado mínimo” sente-se obrigado a socorrer empresas de telefonia – privatizadas a preço de banana – com a singela quantia de R$ 105 bilhões.
Enquanto a Previdência Social e a Consolidação das Leis do Trabalho estão sendo destroçadas sob o cínico discurso de que é preciso tomar medidas duras para recuperar um país quebrado, o mesmo governo aumenta em centenas de milhões de reais as despesas de publicidade na grande mídia coronelista .
Esses são apenas alguns exemplos da política de exceção que o governo Temer vem praticando diuturnamente sem piedade, mas a lista de atrocidades segue desenfreada.
O mais novo alvo é o BPC (Benefício de Prestação Continuada) que refere-se ao auxílio de um salário mínimo pago a idosos com mais de 65 anos ou deficientes. Temer quer restringir o alcance desses benefícios. Quanto ao que farão os que forem prejudicados? Ao que parece, não é problema dele.
É uma sistemática cruel, mas que obedece de uma certa forma a lógica capitalista de acumulação de riqueza. Como o “bolo” é limitado e os mais ricos não abrem mão de ficarem mais ricos, a “solução” é retirar dos mais pobres num ciclo vicioso que só pode nos levar a uma verdadeira crise humanitária que inclusive já presenciamos no Brasil não muito tempo atrás.
O presidente serve caninamente a esse propósito porque além de ser simpático a ele, sabe que se transformou num entulho passível de ser descartado a qualquer momento. Abarrota os cofres capitalistas com as migalhas de quem já não tem nada porque assim acredita infantilmente obter misericórdia de um sistema puramente impiedoso.
Michel Temer é, por assim dizer, uma espécie de Robin Hood às avessas que tira dos mais pobres para dar aos mais ricos. O problema é que, diferentemente da personagem original, o nosso anti-herói não encontrará abrigo nem em um lado nem em outro.
Carlos Fernandes
Sobre o Autor
Economista com MBA na PUC-Rio, Carlos Fernandes trabalha na direção geral de uma das maiores instituições financeiras da América Latina

Curta, Comente, Compartilhe, Clik no Anúncio que te interessa, esses pequenos detalhes farão uma grande diferença para este humilde blogueiro. Obrigado!