A corrupção e a desfaçatez, método do governo do Michê

Desfaçatez é a qualidade de um desfaçado, daquele que não sente nem constrangimento e nem vergonha pelos seus atos condenáveis, publicamente assumidos. Trata-se daquele que, no senso comum, é conhecido como um cara de pau. Pois bem: Temer e, de certa forma, boa parte das autoridades que ocupam cargos superiores nos altos escalões dessa República destroçada, assumiram a desfaçatez como método de conduta e de governo.

Não se trata mais de esconder a verdade, de enganar, de fazer um jogo ardiloso das aparências. Trata-se de assumir a corrupção e o crime como predicados normais de quem governa. Ser acusado, denunciado, processado é como que uma exigência curricular para se tornar ministro, ocupar os altos cargos de comissões no Congresso, ser presidente da Câmara e do Senado, assumir um posto de  conselheiro ou ministro de Tribunais de Constas, se tornar juiz do Supremo Tribunal Federal. Estes requisitos curriculares estão se espalhando nos estados e nos municípios e nos três poderes da República. 

O descaramento e a impudência com que se manifestam autoridades, senadores, deputados e ministros chega a ser espantosa. Em democracias desenvolvidas, suspeitas e denúncias são suficientes para que uma autoridade pública se afaste do cargo ou renuncie ao mandato. Aqui, Temer avisa que denunciados e delatados permanecem no cargo. Veja-se o caso exemplar de Eliseu Padilha, hoje o ministro mais poderoso do governo. Além de denúncias relativas à Lava Jato teve milhões de reais bloqueados por um juiz do Mato Grosso, sob a acusação de ter cometido crimes ambientais. No Rio Grande do Sul e no STJ já foi condenado em definitivo a pagar um montante de R$ 393,76 a um corretor e vem protelando o pagamento. Naquele mesmo estado é acusado de grilagem de terras e é réu em processo por ter beneficiado uma universidade privada - a Ulbra (Universidade Luterana do Brasil) em troca de pagamentos milionários a duas empresas de consultoria do ministro, a Rubi e a Fonte. Padilha já ultrapassou o próprio critério inescrupuloso estabelecido por Temer e, mesmo assim, continua sendo o ministro mais poderoso da Esplanada, proclamando, com desfaçatez, que o governo usa como método transformar desqualificados e despreparados em "notáveis" ministros, como foi o caso do ministro da Saúde, outro acusado de ter cometido irregularidades no Paraná.  

A desfaçatez política e a corrupção estão destruindo o conteúdo moral das instituições e da sociedade. A falta de escrúpulos, de vergonha e de decorro transformou as instituições públicas num escombro de obscenidades. A honradez, a dignidade e a moralidade foram sacrificadas na corrida em busca do foro privilegiado, esse instrumento abjeto que se tornou abrigo de criminosos num Supremo Tribunal Federal que é um cemitério de processos contra corruptos. Hoje não resta dúvidas de que uma das maiores cobiças do núcleo duro dos golpistas dos partidos que fazem parte do condomínio governamental era colocar-se ao abrigo do foro privilegiado.

A nova face do mal

O atual governo é a expressão de uma nova forma de banalização do mal, não daquela forma referida ao totalitarismo e à sua violência desmedida, estudada por Hannah Arendt. A banalização do mal promovida pelo atual governo é francamente grotesca e despudorada, é a violência contra as convenções morais e civilizatórias, é a cruzada para mostrar que ser honesto é uma frivolidade de ingênuos e de despreparados para o exercício do poder político, pois este exige profissionais da corrupção. Os outros que caíram em função de acusações de corrupção teriam caído por serem amadores. Somente os profissionais, identificados no atual grupo de poder, teriam capacidade para estabilizar a governança corrupta no país, mantendo-o prisioneiro do atraso, da injustiça, da desigualdade e da pobreza às custas da riqueza de poucos. Os poucos, os grandes, os ricos teriam como direito consuetudinário os faustos proporcionados pela corrupção, as suas vidas de vícios, de esbanjamentos que têm em Sérgio Cabral um espécime exemplar deste tipo de conduta.

Para esses banalizadores do mal, não importam as misérias do povo, o desemprego, nos novos milhões de pobres, a indústria, a tecnologia, a ciência, a pesquisa e a cultura sem futuro. Quanto mais longe da modernização o país se encontre, mais longo será o império da corrupção, mais tempo haverá para saquear os cofres da res publica e para orientar os recursos dos orçamentos públicos em benefício dos mais ricos.

Este novo mal radical não vem pelos tanques, pelas bombas e pelos bombardeios. Ele vem pelo desemprego, mata à míngua, asfixia a velhice, retira a potência da esperança dos jovens, renega os direitos das mulheres e dos negros, drena o sangue dos pobres para pagar juros aos bancos e refestelar as mesas e as extravagâncias dos ricos. Este mal radical sonega os remédios e os leitos hospitalares, fecha escolas, põe cancelas ao acesso à educação superior aos pobres e destrói os centros de pesquisa.

Esta nova banalização do mal acredita que não tem limites no movimento de tornar a república e a democracia em letra morta, em formas sem conteúdo, em domínio exclusivo do capital. Este mal cria campos de concentração e de extermínio mentais e vivenciais, torna as pessoas supérfluas, não só pelo desemprego, mas pelas vidas vazias, pelas angústias e pelos medos de vidas sem futuro.

Hannah Arentd tinha razão: o mal radical não vem de figuras mitológicas que têm projetos e poderes fabulosos. Ele vem de figuras banais, até mesmo medíocres. Este governo está eivando de figuras banais, desprovidas de qualquer senso se grandeza. Figuras como Temer, Jucá, o gato angorá, os Moraes, os Quadrilhas, e tantos outros, todos acompanhados por um grande séquito de deputados senadores que o mundo conheceu bem suas índoles no fatídico 17 de abril de 2016.

A questão desta nova banalidade do mal não é apenas moral sem deixar de ser moral. Ela é política e remete para a necessidade de compreender como o Estado brasileiro, ao longo dos tempos, produziu e vem produzindo uma elite política e uma elite econômica que, indubitavelmente, querem o mal do povo e o atraso do país. A resiliência desse atavismo perverso pode ser encontrada na genética maldosa das nossas elites que nunca se habilitaram para a grandeza e para a responsabilidade, mas que fizeram do assalto, da violência, da expropriação e do saque um método para governar para poucos.

Aldo Fornazieri - Professor da Escola de Sociologia e Política.

Postar um comentário

***