Conteúdo de Qualidade Superior

Banco BTG Pactual bancou o golpe


Pouco depois da eleição presidencial de 2014 André Esteves (BTG Pactual) depositou 1 milhão de reais numa conta de responsabilidade de Michel Temer, para bancar a eleição de Eduardo Cunha a presidência da Câmara Federal. A trairagem vem de longe...

Reportagem de Rafhael Di Cunto, no Valor, revela a conspiração:




“O poder econômico foi determinante para a vitória de Cunha na Câmara. Eleito com 267 votos no primeiro turno, ele fez campanha com mais estrutura do que a de seus adversários: viajou de jatinho por todo o país, contratou cabos eleitorais, assessoria de imprensa, panfletos, camisetas e adesivos. Até montou estandes em hotéis frequentados por parlamentares e espalhou placas pelas principais regiões de Brasília. Mesmo apoiado pelo governo federal, o seu principal concorrente, o deputado Arlindo Chinaglia (PT­-SP), teve uma campanha muito mais modesta: visitou menos Estados, a maioria em avião de carreira, e teve uma assessoria precária. Júlio Delgado (PSB-­MG), que ficou em terceiro lugar, pouco viajou e dependeu mais do telefone para fazer pedir votos.”
(...)
“A conta corrente em que o BTG depositou os recursos pagou ainda R$ 310 mil de material de campanha, serviço de bufê, aluguel de imóveis, confecção de camisetas, adesivos, panfletos, placas e assessoria para a campanha de Cunha à presidência da Câmara, de acordo com notas fiscais anexadas à prestação de contas (do PMDB).”

O jogo do impeachment começou logo depois da eleição. E seu principal capitão-do-mato, Eduardo Cunha, já tinha por trás de si a mão de Michel Temer.