Conteúdo de Qualidade Superior

Paulo Nogueira: devemos um pedido de desculpas a Dilma, de joelhos

Resultado de imagem para dilma sozinha
Sozinha na luta
Reli certas coisas que escrevi na época do impeachment. Uma delas me chamou particularmente a atenção.
Era um pedido de desculpas nacionais a Dilma. Como pudemos deixar uma mulher honesta — e competente — ser derrubada por um bando de corruptos cujo pretexto era exatamente a corrupção?
Os últimos dias me levam a reforçar as desculpas. Desculpas, agora, de joelhos.
Temer, Padilha, Geddel — eis o tipo de gente que sabotava Dilma sob apoio massivo da Globo e do restante da mídia, e sob o olhar bovinamente cúmplice dos eminentes ministros do STF.
Convém não esquecer também Eduardo Cunha, um parlamentar mafioso que só foi afastado do Congresso depois de liquidar Dilma.
O PSDB deu também sua contribuição milionária ao golpe. Primeiro de todos, Aécio, já eternizado como “o candidato que não soube perder”.
Depois, os demais chefes tucanos, como FHC e Alckmin, agora conhecido nas planilhas da Odebrecht como o “Santo”. Com uma mão o Santo rezava e com a outra recolhia propinas de Caixa 2.
Era muito homem corrupto contra uma honestidade ilhada e solitária, como a de Dilma.
Aécio é o melhor caso tucano. Seu crime antidemocracia não compensou. Ele saiu das eleições de 2014 com muitos trunfos, a começar pelos 50 milhões de votos que obteve. Mais quatro anos e seria um forte candidato presidencial.
Hoje ele está reduzido a cinzas. É um dos nomes mais citados por delatores em esquemas de propinas. Nem a mídia amiga conseguiu esconder isso, ela que sempre protegeu Aécio de notícias desagradáveis, sobretudo as ligadas a corrupção.
Aécio agora está em todas.
Se você pegar sua campanha de 2014 verá que toda ela foi baseada no, aspas, “combate à corrupção”.
É até engraçada: um corrupto contumaz, como provam as delações, fazendo sermões sobre os males da corrupção.
À luz do sol, Aécio fazia uma pregação veementemente moralista. Na calada da noite, fechava acordos tenebrosos.
E em meio a tudo isso Dilma, virtualmente sozinha.
Tem um alto poder simbólico vê-la morando numa casa simples em Porto Alegre em quando um apartamento milionário em Salvador domina o noticiário. (Isso para não falar nos pedalinhos de tantas manchetes,)
E deixamos Dilma sozinha. Não a defendemos, nas ruas, de uma conhecida máfia da roubalheira. Permitimos, mansamente, que a tirassem e, com ela, destruíssem 54 milhões de votos e uma democracia ainda tão jovem.
De novo: devemos desculpas a ela. Contritos. De joelhos no chão.
Ela vai passar para a história como o caso mais brutal de injustiça cometido pela plutocracia.
E quem age como agimos merece Temer, Gedel, Cunha, Aécio etc etc.
Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.