Pular para o conteúdo principal

Intercept Brasil: #VazaJato - Dallagnol é um mentiroso


Quinta-feira, 29 de agosto de 2019

A nova matéria da série As mensagens secretas da Lava Jato revela como os procuradores da força-tarefa usaram vazamentos com o objetivo de manipular suspeitos, fazendo-os acreditar que seu indiciamento era inevitável, mesmo quando não era. O intuito, eles disseram explicitamente em chats do Telegram, era intimidar seus alvos para que eles fizessem delações.

Além de ética e legalmente questionável, esse tipo de vazamento prova que o coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, mentiu ao público ao negar categoricamente que agentes públicos passassem informações da operação.

Um exemplo desse método ocorreu em 21 de junho de 2015, quando o procurador da Orlando Martello enviou a seguinte pergunta ao colega Carlos Fernando Santos Lima, no grupo FT MPF Curitiba 2, que reúne membros da força-tarefa: "qual foi a estratégia de revelar os próximos passos na Eletrobrás etc?". Santos Lima, então, afirma com escancarada franqueza: "meus vazamentos objetivam sempre fazer com que pensem que as investigações são inevitáveis e incentivar a colaboração."

LEIA A MATÉRIA COMPLETA →  
Editor Cofundador e Colunista
Repórter

Destaques

Leia a série com as mensagens secretas da Lava Jato
The Intercept Brasil
Uma enorme coleção de materiais nunca revelados fornece um olhar sem precedentes sobre as operações da força-tarefa anticorrupção que transformou a política brasileira e conquistou a atenção mundial.
Áudios: Corregedor-geral do MPF acobertou confissão de procurador da Lava Jato que pagou por outdoor ilegal
Amanda Audi, Rafael Neves, Victor Pougy
Oswaldo Barbosa abafou caso depois que Deltan Dallagnol atuou para proteger o procurador Diogo Castor de Mattos.
Lava Jato usava chats para pedir dados fiscais sigilosos sem autorização judicial ao atual chefe do Coaf
Paula Bianchi, Leandro Demori
Procuradores realizavam consultas "informais" para saber até se seguranças de Lula compraram geladeira e fogão para o sítio de Atibaia.
Deltan e Lava Jato usaram Vem Pra Rua e instituto Mude como lobistas para pressionar STF e governo
Rafael Neves, Rafael Moro Martins
Procurador agiu ocultado por movimentos em pautas que envolviam decisões do Supremo e de Michel Temer.
A turma protegida pela Lava Jato: bancos, FHC, Guedes, Álvaro Dias e Onyx
João Filho
Vaza Jato revela como a força-tarefa usou dois pesos e duas medidas nas investigações.
Cinco dos dez canais que explodiram no ranking do YouTube durante as eleições são de extrema direita
Rodrigo Ghedin
Análise inédita mostra que algoritmo do Google ajudou bolsonaristas irrelevantes a bombarem durante as eleições.

Comentários