Conteúdo de Qualidade Superior

Gregório Duvivier - os vilões do golpe são óbvios demais

Brasil 247 – O humorista Gregório Duvivier, do Portal dos Fundos, diz que os roteiristas da House of Cards brasileira, que ele chama de House of Soraya, trabalharam mal.

Isso porque criaram vilões óbvios demais no roteiro protagonizado por Michel Temer & companhia. "Se fosse uma série de qualidade, Temer não teria tanta cara de vilão. Desde 'Super Xuxa Contra o Baixo Astral' não se vê um malvado tão caricato – até ACM, o Toninho Malvadeza, achava Temer uma escolha óbvia demais para o papel: 'Parece mordomo de filme de terror'. Nem no pior filme de James Bond ('007 contra o Foguete da Morte', que se passa, não por acaso, no Brasil) se pensou num malvado tão obviamente malvado. Qualquer criança de seis anos quando vê um sujeito pálido com rosto esticado e voz de sarcófago sabe que é 'do mal'. 'Foi ele, mamãe!', as crianças gritariam no teatro infantil", escreve Gregório.

Ele também ironiza o ministro da Educação, Mendonça Filho, que recebeu o ator pornô Alexandre Frota para discutir propostas para o setor. "Numa série de respeito, os vilões tentam, pelo menos, fingir que são 'do bem': não escalariam um ministério só com homens, não receberiam o Frota no Ministério da Educação e, sobretudo, não revelariam todo o plano maléfico nem para o melhor amigo", afirma.

Outro que mereceu sua ironiza foi o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que se surpreendeu com os áudios de Romero Jucá (PMDB-RR), em que a conspiração golpista se torna evidente. "A maioria das pessoas que clamavam pelo impeachment recebeu o áudio de Jucá tal qual Maria do Bairro: com surpresa. Cristovam Buarque disse que estava perplexo, que 'não imaginava' nada disso quando votou pelo impeachment. Ih, rapaz, tenho várias coisas pra te contar. Sabe o Clark Kent? Era a verdadeira identidade do Super-Homem. Sim! Por isso eram tão parecidos! Mas não espalha", escreveu Duvivier.