Política

Xadrez do novo tempo do jogo, por Luis Nassif
Os últimos meses foram os mais decisivos da moderna história política brasileira.
De um lado, pelo fim inglório de um período no qual partidos políticos, poderes e instituições públicas se esfarelaram em torno do mais vergonhoso episódio político pós-redemocratização: a forma como está sendo conduzido o processo de impedimento.
Não se salva um, da presidente afastada ao interino [Golpista] usurpador, de ex-presidentes da República a mandatários do Judiciário, dos velhos coronéis nordestinos aos supostamente intelectualizados a coronéis paulistanos de má catadura.
Nunca o peso do subdesenvolvimento foi exposto de forma tão cruel quanto agora. Praticamente não há mais nenhuma figura referencial em nenhum setor. Executivo, partidos políticos, Supremo, Ministério Público, Congresso, empresariado, mercado, mídia foram tomados pela mais medíocre geração de dirigentes da história. Suas lideranças estão preocupadas em preservar interesses miúdos, de curto prazo, eximir-se de responsabilidades em relação ao país.
A tentativa de dourar Michel Temer com a aura de estadista tem sido um fiasco. O próprio Delfim Neto apelou para que Temer esquecesse sua vida até agora e começasse a interpretar daqui por diante o papel de estadista. Lembra um clássico do cinema italiano, com Vitorio De Sicca: "De crápula a herói".
Não dá. Falta ao interino não apenas biografia como competência mínima para se locomover no palco do poder.
Além disso, Temer pode esquecer seu passado, mas ele voltará periodicamente a bater em sua porta.
Por outro lado, o processo do impeachment está sendo o catalizador de uma movimentação política inédita, uma redefinição de valores e formas de organização que irão dominar o processo político-eleitoral pelas próximas décadas.
Nesse período consolidaram-se as novas formas de organização, os coletivos, ao lado dos movimentos sociais, fazendo-se ao largo da estrutura hierarquizada de sindicatos e partidos políticos. Essa mesma horizontalidade se revela na notícia, com as redes sociais tornando-se cada vez mais influentes com seus múltiplos filtros substituindo o filtro único da mídia.
As ideias-chaves do que se imagina ser esquerda ou direita estão sendo plasmadas nestes períodos turbulentos. Assim como as preocupações centrais dos que zelam pelo aprimoramento da democracia.

***