***

A dupla personalidade única de um traíra

Novo Temer, velho Michel
Em campanha para se efetivar no cargo, o presidente interino adotou uma dupla personalidade. Para o público externo, ele tenta se vender como o novo Temer, um líder austero e comprometido com o ajuste fiscal. Para os políticos, continua a ser o velho Michel, especialista em barganhar cargos e verbas em troca de votos no Congresso.
O novo Temer buscou o apoio de empresários do agronegócio na segunda-feira (4), em São Paulo. Ele prometeu limitar o gasto público, pregou uma era de “muita contenção” e se disse pronto a anunciar “medidas, digamos assim, mais impopulares”.
Faltou explicar o que isso significa, mas a plateia se deu por satisfeita com a manifestação de desprendimento. “As pessoas me perguntam: mas você não teme propor medidas impopulares? Não, meu objetivo não é eleitoral”, recitou o peemedebista.
Nesta terça (5), em Brasília, o interino voltou a atuar como o velho Michel. Abriu o gabinete presidencial para um comitiva de nove senadores e prometeu abrir o cofre para concluir um pacote de obras a serem escolhidas pelos próprios políticos. O objetivo da generosidade é claro: assegurar votos a favor do impeachment.
Fora do mundo da propaganda, o velho Michel está ganhando do novo Temer de goleada. Seu pacote bilionário de bondades já incluiu aumentos para o funcionalismo, alívio nas dívidas dos Estados e uma ampla liberação de emendas parlamentares.
O economista Gil Castelo Branco, crítico da gastança no governo Dilma, aponta uma ação “completamente contraditória” com o discurso de austeridade. “Desde que ele [Temer] assumiu, o que temos, na verdade, é o crescimento de despesas”, disse, ao jornal “El País”.
A dupla personalidade do interino também se manifesta na ocupação da máquina. O novo Temer promete conter indicações políticas e combater o “aparelhamento” da era petista. O velho Michel acaba de descolar uma chefia regional do Incra para o filho do deputado Paulinho da Força.
por Bernardo Mello Franco na Folha de São Paulo