Defesa de Marcelo Odebrecht "libera" quinze testemunhas

O justiceiro binacional, Sérgio Moco, chefe da quadrilha de Curitiba homologou ontem terça-feira (19) pedido da defesa do empreiteiro Marcelo Odebrecht para desistir da oitiva de 15 testemunhas de defesa, entre elas o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador Geraldo Alckmin, o senador Aécio Neves, José Serra (todos do Psdb) e do Pmdb, Michel Temer, Eduardo Cunha, Eliseu Padilha, Gedel Vieira Lima, Moreira Franco.

Os Dallagnous do ministério público concordaram com o chefe (que novidade) mas, disseram não saber por qual motivo os advogados do corruptor desistiu do testemunho dos arrolados como testemunha.

Seria porque o teor da delação premiada que eles ensaiaram com o réu está sob sigilo e serão vazados três dias antes da votação do golpe no Senado?

Eu aposto que sim.

Quem se habilita, quanto?

Moro, Moro, Morooooo...tem jeito não, ele é moco - quando lhe convém.