***

O lulismo refundara o Brasil

Preparando-se para condenar e talvez prender Lula, o complexo jurídico-midiático estará selando uma derrota estratégica que se repercutirá nos anos futuros de forma ainda mais retumbante do que o Peronismo para os argentinos ou o Gaullismo para os franceses.
A inviabilização de Lula é a inauguração e não pós mortem, como costuma ser o caso pela perda do grande líder, do Lulismo; um inesgotável e vitorioso movimento que ecoará através dos tempos.
Mas por que se trata de uma derrota acachapante para o esquema que pretendia sepultar a esquerda brasileira? Porque o objetivo estratégico não era e nunca foi o de arruinar o Lula pessoa física e de cassar o seu CPF, mas o de não deixar pedra sobre pedra sobre o Lula líder, de enxovalhar o seu legado, a sua honra e a dos seus. Esse objetivo estratégico pelo qual a grande mídia se empenhou por vários anos JAMAIS será alcançado. O que pode a Globo agora que os seus feitiços já não funcionam mais? Implorar e de joelhos num editorial que Lula seja preso. E o que há de novo nisso? A derrota de ter que explicitar o que quer de forma direta, demonstrando que as suas forças se esvaíram.
De fato o esforço midiático de arruinar Lula produziu o contrário, agigantou perante a injustiça das ruas o líder perseguido. Confrontado como diz Luis Nassif à verdadeira bacanal em que se converteu o exercício do Poder no Brasil, o povo constata com clareza de que lado está a razão. E não há volta.
Ora, a lógica da exclusão de Lula das eleições de 2018 acentua o problema e mina irreversivelmente a idoneidade, já corroída, dos seus algozes e do golpe. A explicitação ostensiva da injustiça por um Judiciário que deveria zelar pela justiça, é a derrota estratégica da direita brasileira da qual esse Judiciário se tornou a última esperança. Há aí um ponto final da viabilidade política do golpe no curto prazo e do projeto do conjunto da direita no longo prazo. Não podemos prever quando o fruto podre cairá no chão, mas já se constata que podre está e não subsistirá ao tempo. Imaginemos o que será a votação da Reforma da Previdência com Lula condenado! Ou a que destino está reservado a candidatura Alckmin...
Pior para os golpistas, a antecipação recorde do julgamento para o dia 24 de janeiro, dia por dia, o aniversário de um ano do acidente vascular cerebral de Dona Marisa, o uso na UFMG pela PF de verso da música O Bêbado e o Equilibrista, utilizada como tema nas despedidas do Reitor Cancellier, para batizar a operação e as conduções coercitivas repetidas e impunes, apesar de flagrantemente ilegais, rompem com a tradição do humanismo cristão do país e vão tingindo o conjunto da estratégia golpista de um escárnio tão repugnante que não encontra paralelo na nossa cultura senão no que se entende por satanismo.
Projetemo-nos em 2018 quando os efeitos do arrocho orçamentário estarão nas ruas transfigurados em miséria das maiorias e em dificuldades materiais imprevisíveis para as classes médias e quando teremos um Lula (a pessoa física, mas não o líder) assediado e possivelmente preso por forças que se posicionaram no lado tenebroso da força.
Há quem fale em necessidade de insurreição. Mas o Brasil nunca foi um país de insurreições e isso não ocorrerá. Talvez se fiem nessa verdade histórica achando que porque não haverá insurreição não haverá nada. Trabalham na superestrutura política, com vilipêndio, sem perceber que a modelagem última das instituições é a vontade coletiva das maiorias e que, cedo ou tarde, essa irrompe como um novo ordenamento, como ocorreu na ditadura.
Mas a corrosão e a podridão estão vomitadas na rua. E nada mais há que possa ser feito para limpá-la. E o julgamento de Lula está agendado para o dia 24 de janeiro em homenagem a Dona Marisa, um imperdoável escárnio.
À nossa revelia vamos sendo tangidos para a luta mitológica que refundará o Brasil.
No dia 24 de janeiro, condenado e humilhado, tratado com a crueldade inenarrável de um julgamento em data de sofrimento pessoal maior, Lula fundará, no meio do povo gaúcho, terra de Getúlio, e em vida o Lulismo!
Dará frutos cem por um!

***