Pular para o conteúdo principal

Aceitem que dói menos, por Ana Virgílio




Mesmo que tudo termine em pizza, sem apuração, sem punição, a poeira podre jogada para debaixo do tapete, como faziam em outros tempos, esses dias, essas máscaras caindo o tempo inteiro, já valeram.

A pose de "bons moços", o desmonte das mentiras que usavam, como se fossem paladinos da moralidade, tudo indo ralo abaixo, é uma resposta aos que, de repente, se julgavam mais brasileiros que os outros, os que gostavam de tachar de "apoiadores de corruptos" quem não compactuava com este espetáculo mambembe (que me desculpem os artistas circenses), que agora podemos assistir, em capítulos cada dia mais escabrosos, mas que não nos surpreende.

Ver os ídolos de pés de barro caindo dos andores, afaga meu coração PETISTA (isso eles diziam como um xingamento), fortalece a escolha que fiz, o caminho que resolvi trilhar, o lado do qual não arredei pé e que, com certeza, passa muito longe desse lodaçal, travestido de "governo transparente" e "anticorrupção"
Como eles gostam de mantras, aí vai um para eles:

ACEITEM QUE DÓI MENOS
Ana Virgilio