Pular para o conteúdo principal

Carta do senhor Vísceras a Jair Bolsonaro


"Sei que o senhor não me conhece, presidente. Pois permita que me apresente. Moro onde olho nenhum me alcança, no ermo das entranhas. Sou ferida exposta que não se vê. Trago das origens uma certa vocação para a tragédia. Não deve ser por outra razão que venho do grego: 'stómachos'. Se pudesse dar entrevista aos correspondentes estrangeiros, resumiria assim o oco de minha existência: 'É dura a vida de víscera.' Às vezes, presidente, invejo o coração que, quando sofre, é de amor. Eu jamais tive tempo para sentimentos abstratos. Perdoe-me o pragmatismo estomacal. Mas só tenho apreço pelo concreto: o feijão, o arroz, a carne… Meu projeto de vida sempre foi arranjar comida. Meu mundo cabe no intervalo entre uma refeição e outra. Meu relógio, caprichoso, só tem tempo para certas horas: a hora do café, a hora do almoço, a hora do jantar… Sem comida, senhor presidente, meu relógio ficou louco. Passou a anunciar a chegada de cada novo segundo aos gritos. Ardem-me as paredes, bombardeadas por jatos de suco gástrico. Mas já não sofro, presidente. Entrego-me aos delírios. Neles, troco frequentemente o inferno pelo paraíso. Temente a Deus, rogo para que Ele coloque no meu céu uma cozinha como a do Alvorada, tão farta que me propicie uma fome de presidente, dessas que a gente resolve simplesmente abrindo uma geladeira abastecida com todas as guloseimas que o déficit público pode pagar. Dispenso o garçom. Recomende-me à dona Michelle. Cordialmente, Vísceras."

Comentários

maribel dias kroth disse…
Chocante esse texto ele expressa a fome mais ardente como brasa que queima nas entranhas de milhares de seres humanos, que desorientados pela fome, se compraz a chorar sua dor e sem chance de ser ouvida e muito menos de reagirem para não serem açoitados pelas ruas como os mendigos que vivem a margem da vida, se encolhem e apanham pelas esquinas das suas cidades e sem direito de pelo menos chorar e lamentar sua triste sina ate a morte o levar!