Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 26, 2012

O que pensa Paulo Coelho sobre a elegância

Às vezes eu me surpreendo com os ombros curvados; e sempre que estou assim, tenho certeza de que algo não está bem. Neste momento, antes mesmo de procurar a razão do que me incomoda, procuro mudar minha postura - torná-la mais elegante. Ao colocar-me de novo em posição ereta, dou-me conta de que este simples gesto me ajudou a ter mais confiança no que estou fazendo.
Elegância é geralmente confundida com superficialidade, moda, falta de profundidade. Isso é um grave erro: o ser humano precisa ter elegância em suas ações e em sua postura, porque esta palavra é sinônimo de bom gosto, amabilidade, equilíbrio, e harmonia.
É preciso ter serenidade e elegância para dar os passos mais importantes na vida. Claro, não vamos ficar delirando, preocupados o tempo inteiro com a maneira como movemos as mãos, sentamos, sorrimos, olhamos ao redor; mas é bom saber que nosso corpo fala uma linguagem, e a outra pessoa - mesmo inconscientemente - está entendendo o que dizemos além das palavras.
A serenida…

Super Heróis decadentes e deselegantes

Caricaturas do ilustrador italiano Donald Soffritti respondendo a indagação:  " Como estão os super heróis e seus vilões "






A China que se cuide

É o alerta que o jornalista Carlos Chagas faz. E está coberto de razão e argumentos.

Vale o preâmbulo de que toda nação tem direito à autodeterminação. Quando submetida ou subjugada por outra, caracteriza-se violência inadmissível, a menos que seu povo careça de condições econômicas, políticas e culturais de governar-se sozinho.

O Tibet, tradicionalmente, forma uma nação, e vem sendo dominado pela China há décadas ou, se quiserem, há séculos. Tem os tibetanos o direito indiscutível de independência. Só que surge um problema: por que, de repente, eclode não apenas no Tibet, mas no mundo inteiro, intensa campanha de resistência e até de rebelião contra o governo de Pequim?
Certas coisas não acontecem de graça. A China incomoda meio mundo, ou mais. Aliás, já incomodava desde 1949, quando Mao Tsetung tomou o poder e estabeleceu o comunismo à moda chinesa, mais duro e inflexível do que outros espalhados pelo planeta.
Mesmo agora admitindo uma espécie de capitalismo singular, ou por causa disso…

Respeito é bom e todo mundo gosta

Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente quando vê um japonês colocando um prato de arroz na lápide ao lado. Um mês depois, a cena se repete. Ele se vira para o japonês e com certa ironia pergunta:
- Desculpe-me, mas o senhor acha mesmo que o seu defunto virá comer o arroz? E o japonês, calmamente, responde:
- Sim, geralmente na mesma hora em que o seu vem cheirar as flores! Quando apontar o indicador na direção de alguém...presta atenção que o polegar está virado para teu peito.

Cidade Velha

A série do pintor russo, Dennis October

http://affinity4you.ru

Carré de carneiro com macaxeira e maçã

Ingredientes

2 quilos de carré de carneiro inteiro2 ramos de alecrim2 dentes de alho amassado2 ramos de tomilho2 talos de alho-poró2 cebolas em rodelas 6 folhas de louro1copo de vinho tinto seco2 colheres (sopa) de conhaqueSal, pimenta-do-reino, azeite e manteiga à gostoPurê 1 maçã verde1 maçã vermelha100 gramas de açúcar2 colheres (sopa) de manteigaSal e curry à gostoComo Fazer
Coloque em um recipiente o carré, e esfregue o alecrim, o alho, o tomilho, o alho-poró cortado em rodelas, a cebola em rodelas, as folhas de louro, acrescente o vinho, o conhaque e o azeite, cubra com um papel filme e leve para marinar na geladeira por 04 horas. Passadas as 04 horas retire o carré da marinada, retirando todas as ervas. Acerte o sal e em uma frigideira aqueça a manteiga clarificada sele o carré em todos os lados. 4º - Logo após, enrole o carré com os ossos para fora formando uma coroa e amarre com uma linha. Em uma assadeira coloque o carré com os ossos para cima, leve ao forno pré aquecido a 180 …

Vegetariano fanático

O cara era tão fanático que levou a namorada para detrás de uma moita e... comeu a moita.