Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 15, 2010

O Adeus

Hoje eu sei porque a um tempo atrás eu não fui embora,
Não fui porque temia sentir essa dor que estou sentindo agora...
Temia dizer adeus...
Temia te perder.

Hoje a fome não me dói..
A sede não me importa...
O sono não me encontra...
As cores não existem...
Os sons não me agradam...
O tempo não passa...
A minha mente não descansa...
A sua falta me preocupa...
A saudade me consome...
A vida me perde....

Difícil e conseguir andar pra frente quando você perde o motivo pelo qual caminha...
Difícil olhar para trás e saber que o tempo não retorna...
Difícil não entender e tentar explicar...
Difícil e perder e não poder chorar...
Difícil e saber e não querer acreditar...
Rafael Torres

Luiz Inácio da Vince

L3R ? 3NT40 CL1K N0 4NÚNC10 QU3 T3 1NT3R3SS4 ! 4GR4D3Ç0 !

Oposições: em que mundo elas vivem?

Estadão e os factóides da Veja

O Estadão tem jornalistas no comando, pessoas com bastante influência na Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), que sabem diferenciar denúncia séria de falsificação. Na mesma edição em que rastrea com competência o esquentamento de dinheiro de Roseane Sarney, endossa mais uma mixórdia jornalística da Veja. Mesmo sabendo que a revista não faz jornalismo sério, não tem o menor compromisso com os fatos. O PT tem tradição de dossiês, sim. Quando não tinha perspectiva de poder fazia o mesmo que o PSDB passou a fazer, quando foi sua vez de ficar sem perspectiva: dossiês, factóides, tentativas de desestabilização política pela escandalização. O ponto em comum entre as duas etapas é a velha imprensa de sempre, sem compromisso com fatos ou com sua responsabilidade institucional.  Lunnus é uma obra de responsabilidade total de José Serra. Assim como o dossiê contra Tasso Jereissatti e Paulo Renato. Participaram da operação procurador ligado a Serra, policial federal ligado a …

Petrobrás avança também na Amazônia

Nicola Pamplona – O Estado de S.PauloDuas décadas após o início da produção no campo de Urucu, em meio à Floresta Amazônica, a exploração de petróleo na Bacia do Solimões, no Amazonas, entra em uma segunda onda de investimentos. O movimento foi iniciado este ano, com a Petrobrás, que já tem duas descobertas na região e, ao contrário da primeira fase exploratória, terá a participação de companhias privadas que arremataram concessões em leilões da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A Petrobrás mantém quatro sondas de perfuração de poços atuando na região e, no início do ano que vem, o consórcio formado por HRT e Petra Energia recebe sua primeira sonda, que deve começar a perfurar no primeiro trimestre. As perspectivas de descobertas são animadoras, segundo os envolvidos no esforço – apenas a HRT estima reservas de 1,5 bilhão de barris. A Petrobrás, por sua vez, pode ter encontrado na região o maior campo terrestre do País. Nenhuma das empresas fala sobre o assunto, alegando impedimentos …

Bonner afundou Serra; e Organizações Globo atacam de novo

Que fato relevante pode explicar a mudança brusca nas estatísticas do “DataFolha”? Na pesquisa de 20 dias atrás, o instituto da família Frias teimava em manter Dilma numericamente atrás de Serra, num “empate técnico” pra lá  de duvidoso – ainda mais porque todos os outros institutos já apresentavam Dilma com vantagem de 5 a 10 pontos.
Agora, o “DataFolha” finalmente se rendeu: Dilma 41%, Serra 33%. Repito a pergunta: que fato relevante ocorreu entre uma pesquisa e outra? Lula apareceu colado a Dilma? Onde? Não houve nenhum programa de TV com a presença dos dois.
Os únicos fatos políticos dignos de nota foram o debate da Band (que teve audiência pífia, cerca de 3 pontos) e as entrevistas (?) dos candidatos no “JN”. A única conclusão possível é que a tentativa do “JN” de emparedar Dilma saiu pela culatra. Bonner afundou Serra. A Globo tentou salvar Serra, mas agora corre o risco de afundar com o candidato tucano.
Mas atenção: a “reportagem” da revista “Época” dessa semana mostra que o jorn…

Ampliação do Minha Casa, Minha Vida

Neste sábado, Dilma falou de um de seus projetos de ampliação do “Minha Casa, Minha Vida”. E disse algo que fará muitos elitistas torcerem o nariz: incluir a mobília básica dos imóveis financiados pelo programa no próprio financiamento da habitação. Por que eles torcerão o nariz? Porque é brutalmente econômico, de um lado. E porque agrega  um valor  imenso – objetivo e subjetivo – à nova moradia de pessoas que viviam em condições precárias. Porque é econômico? Porque a mobília básica de uma casa simples – uma geladeira, um fogão, uma televisão, uma cama de casal, duas de solteiro, uma mesa e quatro cadeiras custam, no varejo, talvez só um pouco mais de 5% do valor de uma moradia, hoje na faixa de R$ 50 mil. No atacado, se você considerar algo como um milhão de unidades de cada item, talvez não chegue a 3% disso. Menos ainda, se existir renúncia fiscal de IPI, IOF  e de ICMS nas operações de produção, crédito e venda. E, ainda, a intermediação do ponto de venda final do comércio. Até me…

CASA DE MARIMBONDO

por Carlos Chagas          Caso Dilma Rousseff venha a ser eleita, o PT vai insistir num projeto denominado “Comunicação e Democracia”, que tentou e não conseguiu impulsionar durante o  governo Lula. O que era uma sugestão para o segundo mandato do primeiro-companheiro vê-se agora transformado em proposta para a suposta sucessora. Trata-se de proposta já  debatida no partido mas ainda não discutida com a candidata. São tantas e tão polemicas as mudanças sugeridas no sistema de comunicação eletrônica vigente que o mínimo a prever é uma crise dos diabos entre a mídia e o novo governo, caso ele se forme.        Sem análise mais profunda sobre o que o PT propõe, pelo desconhecimento do documento em sua integralidade, vale ressaltar que o texto sugere a elaboração de uma lei que dificulte, primeiro, e proíba, depois, a concentração da propriedade dos meios de comunicação eletrônica. Isso significa que um mesmo grupo ou conglomerado  encontrará dificuldades para possuir e para explorar diver…

Dilma diz que campanha vai bem

Dilma disse ontem que a pesquisa de intenção de voto divulgada pelo Datafolha, que mostra que está 8 pontos percentuais à de Serra, é a demonstração de que sua campanha está sendo bem realizada. Para Dilma, a "novidade", a partir de agora, será o horário eleitoral gratuito, que começa na próxima terça-feira. Ela tem 41% das intenções contra 33% do tucano. Dilma evitou falar em vitória no primeiro turno, mas admitiu que a pesquisa permite várias leituras. Segundo o Datafolha, levando-se em conta apenas os votos válidos, a petista teria 47%, ficando a três pontos percentuais de uma vitória no primeiro turno. _ É possível várias leituras (da pesquisa). Prefiro não tratar dessa questão (chances reais de vencer no primeiro turno) através de uma análise de pesquisa. Acho que para a gente ganhar a eleição não é pesquisa que importa. O que importa é se esforçar ao máximo para comunicar o programa que desenvolvemos, que é de continuidade e aprofundamento do governo Lula. De fato, é cons…

Dilma é favorita

Para metade do eleitorado, Dilma será a vencedora
Além de se isolar à frente na pesquisa Datafolha, Dilma Rousseff (PT) também ampliou entre os eleitores a percepção de que vai ganhar a eleição presidencial. 
Quase metade do eleitorado (49%) acredita em sua vitória, ante 25% obtidos pelo tucano José Serra;  20 dias atrás, os percentuais eram de 41% e 30%. 
L3R ? 3NT40 CL1K N0 4NÚNC10 QU3 T3 1NT3R3SS4 ! 4GR4D3Ç0 !

Estratégias de Serra deu ‘100%’ errado

Todos os planos que José Serra traçara para sucessão de 2010 deram errado. Em consequência, o presidenciável tucano chega à fase do horário eleitoral gratuito, último estágio da campanha, em situação de absoluta desvantagem.
No pior cenário esboçado pelo tucanato, previa-se que Serra iria à propaganda de televisão empatado nas pesquisas com Dilma Rousseff. Deu-se algo mais dramático.
Todos os institutos acomodam Serra atrás de sua principal antagonista. No Datafolha, o fosso é de oito pontos. Vai abaixo um inventário dos equívocos que distanciaram a prancheta do comitê de Serra dos fatos:
1Chapa puro-sangue: Serra estava convicto de que Aécio Neves aceitaria compor com ele uma chapa só de tucanos. Em privado, dizia que as negativas de Aécio não sobreviveriam a abril. Aceitaria a vice quando deixasse o governo de Minas. Erro.
2PMDB: O tucanato tentou atrair o PMDB para a coligação de Serra. Nos subterrâneos, chegou-se a levar à mesa a posição de vice. Desde o início, a chance de acordo…

Enquanto houver sol

Bom dia!! Devemos acreditar sempre no amanhecer, nas mínimas possibilidades... Enquanto houver sol e você ver a luz desse Sol, sinta-se vivo. Tenha um bom domingo, uma ótima semana. Fiquem com Deus. Se eu voltar Ele estará comigo senão, estarei com Ele.(Deus) Abraços amigos!!

Combate a corrupção

O volume de dinheiro público sob investigação no Dnit chega a R$ 1 bilhão
Alvo da cobiça política no governo, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) é um dos clientes mais freqüentes do Tribunal de Contas da União: 
a cada duas semanas, os relatórios do tribunal apontam uma irregularidade no órgão, encarregado das obras nas rodovias federais. 
Em 18 meses, 10% dos acórdãos sobre o Dnit listam problemas que somam R$ 1 bilhão, informam Roberto Matchlik e Fábio Fabrini. 
Audoria do TCU também mostra que, do total de projetos encomendados a empresas privadas e aprovados pelo DNIT de 2003 a 2008, 66% não saíram do papel. De 2006 a 2008, o percentual chegou a 80%.  L3R ? 3NT40 CL1K N0 4NÚNC10 QU3 T3 1NT3R3SS4 ! 4GR4D3Ç0 !

Sem espaço para errar

Na véspera dos programas e inserções eleitorais de rádio e televisão, não apenas os candidatos estão alinhados para a largada, mas também os institutos de pesquisa. Após meses de alguma dissonância, os quatro (Datafolha, Ibope, Sensus, Vox Populi) dizem mais ou menos a mesma coisa: Dilma Rousseff (PT) abre esta etapa na frente de José Serra (PSDB). Por poucos pontos, ainda na casa de um dígito.
Enquanto afirmavam coisas diferentes, os institutos andaram estranhando-se nos números e nas interpretações, com a natural repercussão entre as torcidas. Assim como no jornalismo, o “pesquisismo” também tem sido cenário para o “você está dizendo isso só porque apoia fulano”. É a conversa da arquibancada. Na versão benigna.
Já no campo de jogo a peleja tem outras regras: as caneladas e carrinhos vêm na forma de polêmicas entre o “ponto de fluxo” e a “consulta domiciliar”, entre fazer a indagação sobre o voto antes ou depois de perguntar o que acha do governo, entre dizer ou não que o candidato “x”…