Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 22, 2015

WhatsApp - Cinco boas dicas

Configurações garantem mais privacidade, armazenar conversas e não sobrecarregar o smartphone

ReproduçãoDicas ajudam a afastar curiosos e otimizar armazenamento de seu telefone Se você é um usuário regular do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp, mas que não presta atenção a outra coisa que não seja ler e responder mensagens, isso lhe interessa. Saiba que você pode liberar espaço na memória do celular, fazer cópias de segurança das suas conversas e adequar ao seu gosto certos aspectos relacionados à privacidade com passos fáceis. Se você quer aproveitar melhor as ferramentas que o WhatsApp oferece, há algumas modificações que você pode fazer na seção de configurações do aplicativo. Os passos para mudar as configurações variam um pouco dependendo do telefone e do sistema operativo utilizado (Android, iOS ou BlackBerry OS, por exemplo), mas o conceito no programa é o mesmo. Amy-Mae Elliot, repórter especializada em tecnologia do Mashable, página dedicada às tendências de cultura digi…

Pacote anticorrupção revoga a Lei de Gérson

O grupo Revoltados On line pediu o impeachment de Gérson


VILA RICA - Acossada pela escassez de água, luz e popularidade, a presidente Dilma Rousseff convocou uma coletiva de imprensa para anunciar um pacote antimanifestação. "Meus amigos e minhas amigas, acabo de enviar à Câmara um decreto que revoga a Lei de Gérson. Ficará proibida, em todo território nacional, a prática de levar vantagem em tudo", esclareceu a mandatária. A revogação da Lei de Gérson desencadeou uma nova etapa da Operação Lava Jato, apelidada de "Acabou o amor: isso aqui vai virar o inferno". Mais de 38 mil estudantes foram autuados, acusados de copiar textos da internet para burlar a lição de casa. "Também instauramos inquérito contra o jovem Pedro Albuquerque Menezes Pedrosa, acusado de aguardar o deslize de uma senhora para usar a fila preferencial do supermercado", explicou Sergio Moro. No final da tarde, tivemos acesso a um documento reservado do Palácio do Planalto em que o Ministro …

#DilmaFica

Sandra miria - @sandra_miria:


Dilma fica porque foi quem ganhou a eleição. Quem quer ganhar no grito, vá gritar no banheiro até ficar surdo. Ah, e fure as panelas também!Zumalta - @zumalta: Não gosta da Dilma? Vota em 2018 em outra pessoa. Porque até lá, Dilma FicaFernando Cabral - @fernandocabral Dilma fica porque tem mais culhão que toda a oposição junta.


Veja: Até o Mainard se revoltou

Até Diogo Mainard se revolta contra a Veja
Diogo Mainardi prestou longos serviços à família Civita. Usava a coluna na revista para acusar, todas as semanas, Lula e o PT – de tudo. Acusava sem provas, e sem talento literário nenhum. Deu azar. O PT ganhou 4 eleições, enquanto Mainardi espumava de raiva, de forma constrangedora. Mas quando Roberto Civita (dono da Abril) morreu, Mainardi foi chutado feito um cachorro sarnento. Os herdeiros de Bob Civita devem ter cansado de pagar advogado pra consertar as besteiras de Mainardi. Ele achou que, subserviente ao pensamento do patrão, teria da Abril eterna gratidão. Errou feio. Agora, fica claro que há uma briga feroz e fedorenta nos intestinos da editora que publica a revista “Veja”. Tanto é assim que até Mainardi mostrou-se chocado com o fato de a revista da marginal – na mesma edição que traz Eduardo Cunha, na capa, como herói e estadista brasileiro – não dar qualquer explicação sobre as contas de José Roberto Guzzo na Suíça. A revista da marginal …

Mensagem dominical

Aprendi

Com sete anos aprendi que meu pai pode dizer um monte de palavras que eu não posso dizer. Com dez anos aprendi que minha professora sempre pergunta o que eu não sei responder. Com treze anos aprendi que sempre que deixo meu quarto do jeito que gosto, minha mãe manda eu arruma-lo. Com dezesseis anos aprendi que não se deve descarregar suas frustrações no irmão menor, porque meu pai tem frustrações maiores e a mão mais pesada. Com dezenove anos aprendi que se pode fazer num instante algo que vai lhe trazer dor de cabeça a vida toda Com vinte e dois anos aprendi que nunca devo elogiar a comida da minha minha mãe quando estou comendo algo que minha mulher preparou. Com vinte e cinco anos aprendi que quando eu e minha esposa temos, finalmente, uma noite sem as crianças, passamos o tempo todo falando nelas. Com vinte e oito anos aprendi que a época que realmente preciso de férias é exatamente quando volto delas. Com trinta e hum anos aprendi que se vocês esta vivendo uma vida sem fracassos, …

Coisa de casal

O marido pega na bunda da esposa e diz:
- Se essa bundinha fosse durinha, não precisava de calcinha...pega nos seios e diz: - Se esses peitinhos fossem durinhos, não precisava de sutiã...
A esposa pega no pinto dele e diz:
- Se esse pintinho fosse durinho, eu não precisava do vizinho!!!
- Saporra é doida. Sabe nem brincar!!!

Um (novo) dia na vida do *PIB

por Paulo Nogueira - Diário do Centro do Mundo
Algum tempo atrás escrevi sobre o PIB. O Perfeito Idiota Brasileiro. Ele ia para o trabalho ouvindo a CBN e antes de dormir via o Jornal da Globo. Nos intervalos, lia Merval, Reinaldo Azevedo e Villa. Tinha por ídolo Joaquim Barbosa. E agora, nestes trepidantes dias de 2015, o que faz o nosso PIB? Bem, as leituras se ampliaram, dada a oferta de colunistas dedicados a pessoas como ele. Agora, pela manhã, a caminho do serviço, ele alterna a CBN com a Jovem Pan. Gosta de ouvir Sheherazade. Que sua mulher jamais saiba, mas às vezes tem sonhos eróticos com Sheherazade. Aquela voz, aqueles cabelos. Será que ela faria um daqueles comentários durante o sexo? … Na Jovem Pan o PIB também aprecia os comentários de Marco Antônio Villa. Um cabeça. Numa entrevista com Haddad, Villa massacrou-o. Provou que o futuro pertence aos carros, e não às bicicletas. Londres, Paris, Nova York, Copenhague, Amsterdã, todas elas estão na contramão da história. Investem em cicl…

Aprendi

Com sete anos aprendi que meu pai pode dizer um monte de palavras que eu não posso dizer. Com dez anos aprendi que minha professora sempre pergunta o que eu não sei responder. Com treze anos aprendi que sempre que deixo meu quarto do jeito que gosto, minha mãe manda eu arruma-lo. Com dezesseis anos aprendi que não se deve descarregar suas frustrações no irmão menor, porque meu pai tem frustrações maiores e a mão mais pesada. Com dezenove anos aprendi que se pode fazer num instante algo que vai lhe trazer dor de cabeça a vida toda Com vinte e dois anos aprendi que nunca devo elogiar a comida da minha minha mãe quando estou comendo algo que minha mulher preparou. Com vinte e cinco anos aprendi que quando eu e minha esposa temos, finalmente, uma noite sem as crianças, passamos o tempo todo falando nelas. Com vinte e oito anos aprendi que a época que realmente preciso de férias é exatamente quando volto delas. Com trinta e hum anos aprendi que se vocês esta vivendo uma vida sem fracassos…

ragmentos de um diário inexistente VII

O poder da palavra, o poder da caneta
De todas armas de destruição em massa inventada pelo homem, as mais poderosas, mais terríveis e covardes são a palavra e a caneta.
Punhais e armas de fogo deixam vestígios de sangue. Bombas abalam edifícios e ruas. Venenos terminam sendo detectados. Mas a palavra destruidora consegue despertar o Mal sem deixar pistas. Crianças são condicionadas durante anos pelos pais, artistas são impiedosamente criticados, mulheres são sistematicamente massacradas por comentários de seus maridos, fieis são mantidos longe da religião por aqueles que se julgam capazes de interpretar a voz de Deus. Procure ver se você está utilizando esta arma. Procure ver se estão utilizando esta arma em você. E não permita nenhuma destas duas coisas. by Paulo Coelho

Brasil, Avante para o futuro

Por mais que eles imaginem estarem correndo para o passado, a verdade é que estamos num caminho sem volta. Aos que desejam o retorno da ditadura e mesmo aos que desejam a volta de tempos bicudos, tenho convicção que eles já passaram. Nós também passaremos. Mas, assim como fomos melhor que eles, outros farão melhor que nós.
Os que lutaram contra a ditadura fizeram uma parte.
Os que lutaram contra a ditadura e colocaram na agenda nacional a inclusão social fizeram mais.
Os que virão construirão sobre alicerces sólidos - democracia e cidadania -, e cada dia seremos menos desigual, e cada dia teremos melhores serviços públicos e melhores condições de vida. Com mais Saúde, mais Educação, mais Segurança, mais tudo de melhor.
Quem imagina que isso seja utopia, sofre de miopia histórica.
A história está aqui, só não vê, o pior cego, aquele que faz questão de não enxergar.


Charge do dia

Realidade – Charge do Duke, via O Tempo.


"Eu não sabia" joga todos no mesmo saco, por Josias de Souza

Uma das visões mais partilhadas no Brasil em relação aos políticos é a de que são todos uns a cara esculpida e escarrada dos outros. Na linguagem do asfalto: farinha do mesmo saco. Em campanha, declaram-se capazes de tudo para melhorar a vida da coletividade. Eleitos, revelam-se incapazes de todo. Ao menor sinal de escândalo, recorrem a um mesmo e invariável axioma: "Eu não sabia!"Trata-se de uma desculpa multiuso. Serve para o Lula posar de inocente no mensalão do PT. Serve para o Azeredo se fingir de morto no mensalão do PSDB mineiro. Serve para Dilma reivindicar o papel de cega no petrolão. E passou a servir para que o Alckmin tente desembarcar do escândalo do cartel dos trens e do metrô de São Paulo.Há dois dias, ganhou as manchetes a notícia de que a Justiça de São Paulo aceitou uma denúncia do Ministério Público sobre o cartel que operava sob as plumas do tucanato paulista. A encrenca envolve 11 empresas. São acusadas de se juntar num conluio para fraudar licitações e …

O amor que confunde a madrugada

por Jader Pires
"Puta que o pariu!". Acordou no sobressalto e assustou sua mulher. Fazia uns olhos de coruja, suores empastavam-lhe a testa em brasas e as mãos se agarravam na realidade do lençol.  — Mas o que te aconteceu, homem? — Você tem noção da enrascada que a gente se meteu? — Como assim? — Estamos casados! — Sim, há anos! Se levantou e abriu a janela. A mulher foi ao seu encontro. Ficaram olhando o conjunto de prédios em miniatura trocando luzinhas, acendendo e apagando, pequenos e rápidos rabiscos em vermelho dos carros que passavam lá longe, na avenida, a quietude sacra da madrugada. Estavam calmos, descalços.  O homem empurrou sua mão até a mão dela e segurou. Apertou aquele aperto afetuoso, como se quisesse senti-la ainda mais. Enquanto os carrinhos e pessoazinhas viviam suas vidas lá embaixo, ele resolveu se explicar: — Já reparou como o que temos é complexo? — Ô. — Quero dizer, cacete, como a gente se aguenta? Como a gente se atura? Ontem o Douglas, lá do trabalho, veio p…